curvas

Notícias

14/12/2017

Recife recebe atendimento médico e shows gratuitos de Caravana Cultural em combate ao Zika



 As apresentações acontecem neste domingo (17), a partir das 18h, no bairro do Totó

Depois de passar por Goiana, Caruaru, Olinda e Petrolina é a vez do Recife receber a Caravana Cultural Mais Fortes que a Zika. Neste domingo, a partir das 18h, no bairro do Totó, na Zona Oeste da cidade, a caravana com participação do Som na Rural leva shows, peças teatrais e mostra de vídeos gratuitas como forma de alerta sobre os cuidados necessários com o Zika Vírus, doença que atingiu em cheio o estado de Pernambuco. Além disso, um mutirão de atendimento multidisciplinar será realizado nos dias 16 e 17 de dezembro, para atender as crianças que nasceram com microcefalia no Recife. A iniciativa é do Fundo PositiHIVo, entidade sem fins lucrativos com sede em São Paulo.

O fundo abriu edital apenas em Pernambuco e selecionou cinco projetos relacionados ao Zika vírus. A Caravana é a forma de se levar o projeto para dentro das comunidades. No Totó, as atividades serão desenvolvidas durante oito meses pelos projetos das ONGs Casa da Mulher do Nordeste e o Instituto Mara Gabrilli. Estão previstas ações de formação de multiplicadores, de incidência política junto a gestores públicos e, também, de arte-educação para levar às escolas e espaços públicos, orientações de forma lúdica sobre a realidade do zika, numa perspectiva de direitos sexuais e reprodutivos. Além disso, serão feitos atendimentos médicos as crianças com microcefalia, doença causada pelo Zika Vírus. A comunidade de Passarinho, na Zona Norte do Recife, também será beneficiada com as ações.

CULTURA – A Caravana Cultural acontece em torno do palco móvel do Som na Rural, de Roger de Renor e Nilton Pereira, e, neste domingo, vai contar com apresentações do grupo Santos de Guerrilha, com a participação especial da cantora Isaar. Em seguida, entra em cena o coletivo de teatro Violetas da Aurora, formado por Fabiana Pirro, Ana Nogueira e Silvia Góis, seguido pela apresentação do grupo de percussão Cores Sonoras e a participação da personagem Dona Camisilda, que trata da promoção do preservativo feminino, importante aliado na prevenção contra o Zika Vírus como doença sexualmente transmissível (DST).

O grupo Santos de Guerrilha, projeto paralelo de Rogerman (Bonsucesso Samba Clube) em conjunto com o duo “Eu e a Duplicata”, abre a programação da caravana com sua música engajada, que busca passar mensagens e abordar temas de relevância social através das letras, feitas de versos, poesias e prosas de rua. No repertório, ritmos nordestinos – como a pisada do coco e os sons do xote e do frevo – são combinados com batidas eletrônicas, trazendo referências árabes, do reggae e do rock. “Nós pretendemos usar o espaço aberto das praças para aglutinar as comunidades em torno dos projetos. Queremos promover informação sobre prevenção do zika, o empoderamento feminino e o cuidado com a saúde”, completou Harley Henriques, coordenador geral do Fundo PositiHIVo.

Serviço: Caravana Cultural Mais Fortes que a Zika – Recife Com Santos de Guerrilha & Isaar, Som na Rural, Violetas da Aurora e Dona Camisilda

Onde: ONG Cores do Amanhã (Rua Garota de Ipanema, box 2, Totó, Recife/PE)

Quando: Domingo, 17 de dezembro

Horário: às 18h

Sobre os projetos que serão desenvolvidos nas comunidades do Totó e Passarinho:

Instituto Mara Gabrilli –
“Cadê Você? Um Olhar para Recife no Contexto do Zika Vírus” Voltada não só para pesquisa e atendimento, mas, principalmente para trabalhar como multiplicadores em conjunto com profissionais de saúde, o Instituto Mara Gabrilli irá atuar com crianças e familiares que sofrem com a síndrome congênita na cidade do Recife. A primeira ação do instituto será voltada para o atendimento. Em parceria com a ONG AMAR, o projeto irá atender 60 famílias que já foram atingidas pelo vírus Zika. Durante o atendimento, uma espécie de pesquisa instrumental será desenvolvida, para que possa criar um protocolo de adições da doença. “Vamos aplicar protocolos de estimulação precoce, entre crianças de 0 a 3 anos, para buscar avanços no desenvolvimento delas”, diz Cida Valença, coordenadora do projeto. Outro ponto importante no trabalho da Instituição vai ser a preparação dos principais profissionais que atendem essas crianças que sofrem de microcefalia. “Queremos fazer um pouco da política nova de humanização do SUS. Em que se trabalha um projeto terapêutico singular na clinica ampliada”, comenta ainda a coordenadora. A partir do resultado da pesquisa, a ONG irá trazer novas sugestões de políticas públicas aplicadas, principalmente, na melhoria da saúde e na naturalidade da vida dessas crianças, pensando também nas mães gestantes e jovens, que também estão sendo afetadas com a doença.

Casa da Mulher do Nordeste - “Mulheres da Periferia de Recife no Combate ao Zika Vírus” Trabalhando ativamente na luta pelos direitos das mulheres, a Casa da Mulher do Nordeste pretende atingir mulheres jovens, negras e da periferia da cidade do Recife com ações sociopolíticas voltadas para a educação e os direitos sexuais reprodutivos. As comunidades de Passarinho e Totó serão beneficiadas com o projeto. Durante os 8 meses, ações de mobilização e formação de multiplicadores estarão sendo desenvolvidas dentro da própria comunidade. O projeto será trabalhado em três momentos.

No primeiro, a mobilização e o contato inicial serão os pontos de entrada do trabalho nas comunidades. Depois será abordada a formação sociopolítica trazendo questões como a violência contra a mulher, direitos sexuais reprodutivos, politica pública e saúde da mulher, trabalhando ainda a questão do diálogo sobre o Zika Vírus inserido no contexto da periferia. “Queremos estimular a organização comunitária e a formação de multiplicadoras jovens.

Que elas possam estar sempre dialogando com as instituições locais, como postos de saúde e escolas sobre a questão de direitos sexuais e reprodutivos compreendendo que é a partir dessa multiplicação que a gente vai conseguir atingir o público da periferia”, comentou Anabelly Brederodes, da Casa da Mulher do Nordeste.

A terceira e última ação da instituição será um diagnóstico participativo dessas mulheres nas comunidades nas quais vivem. “Que elas sejam as pessoas que possam cobrar. A partir disso pensar em uma ação política, em audiência pública, com o intuito de dar visibilidade às comunidades na qual a ONG atua, para explanar sobre as necessidades dessas mulheres e jovens dentro da comunidade que são mais atingidas com as doenças pelas condições as qual vivem”, disse ainda Anabelly.

Verbo Assessoria

voltar
curvas

Redes Sociais

FacebookTwitter

Participe